O incentivo ao esporte no terceiro setor

A prática de esportes traz inúmeros benefícios.Favorece a interação entre os indivíduos, estimula convivências harmoniosas e ainda desenvolve a autoconfiança, as habilidades cognitivas e as psicomotoras. Mas qual a relação do esporte com as entidades do terceiro setor?  Como os projetos das ONGs, apoiados pelas leis de incentivo ao esporte, auxiliam na formação dos jovens?

Uma importante aliada em projetos de inclusão social, as atividades físicas promovem a cidadania e auxiliam as organizações sem fins lucrativos a melhorarem a qualidade de vida dos menos privilegiados ou em situação de risco.

Esporte Social: Incentivo à cidadania

O esporte é um aliado em projetos de inclusão social.  O seu incentivo auxilia na formação de crianças e adolescentes, pois resgata valores fundamentais para o desenvolvimento.

Para a UNICEF o esporte é o  meio mais eficaz de complemento à educação.  Quando inserido em atividades lúdicas e criativas,  é possível aumentar o interesse e melhorar o desempenho dos jovens em diversas disciplinas.

Para quem pratica, tudo pode ser encarado como uma grande brincadeira. No entanto, o estímulo às  atividades esportivas deve transmitir valores como, respeito a regras e limites, a aceitação da vitória ou da derrota e o fortalecimento das relações de solidariedade.

O esporte pode transformar vidas. Ele pode ser praticado por todos os indivíduos, inclusive os que apresentam deficiência. Ao promover atividades físicas inclusivas, incentiva-se também a superação de limites e o respeito.

Esporte para todos: Um trabalho em equipe

No Brasil, existe um grande número de instituições do terceiro setor que promovem e divulgam esportes como, futebol, basquete e vôlei. Essas atividades, além de favorecerem as interações sociais estimulam a aprendizagem dos jovens que participam.

Concentração, raciocínio lógico e estratégia também são algumas das habilidades desenvolvidas nessa área. As  instituições que promovem este trabalho ensinam diversos esportes, algumas até  abordam atividades pouco comuns no Brasil, como o badminton e hugby.

As atividades  buscam crescimento pessoal, interação social, integridade física, psicológica e moral, e consequentemente, a diminuição do risco social proporcionando momentos de aprendizagens fundamentais. São exploradas as capacidades de trabalho em grupo.

Conheça ONGs que estimulam a prática do esporte

 Associação Esporte Solidário (AESFUN) 

Constituída em 2004, a associação busca o desenvolvimento integral da criança e do adolescente, promovendo assistência à saúde, incentivando a educação formal e o acesso à cultura, despertando talentos em todas as áreas do conhecimento.

Desenvolvido numa perspectiva multidisciplinar, o trabalho da instituição é composto por diferentes áreas, como Educação Física, Pedagogia, Psicologia, Nutrição e Serviço Social.

Atualmente,  a instituição tem  capacidade para atender 265 crianças e adolescentes entre 7 e 18 anos através dos projetos esportivos educacionais. Existem novos projetos em andamento e espera-se ultrapassar número de beneficiários.

 Associação Toledense dos Atletas em Cadeira de Rodas (Atacar)

Localizada em Toledo (PR),  a entidade  existe desde 2006 e oferece atividades paraesportivas  recreativas e culturais para crianças com deficiência. A ATACAR atende crianças e jovens de várias idades e promove a prática de esportes adaptados para pessoas com deficiência física. Handebol em Cadeira de Rodas, Capoeira Adaptada, Dança em Cadeira de Rodas e Badminton estão entre as modalidades oferecidas.

A inscrição para participar do projeto pode ser feita pelo telefone da instituição  ou pela Universidade Paranaense, uma das apoiadoras.

Instituto Bola Pra Frente

Fundado em 2000, pelo ex-jogador da seleção brasileira, Jorge de Amorim Campos – o Jorginho. A instituição tem uma metodologia de intervenção social própria, que utiliza o esporte educacional para possibilitar a promoção de crianças, adolescentes, jovens e seus familiares que vivem em situação de vulnerabilidade. Localizado no bairro de Guadalupe, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, a organização já atendeu mais de 15 mil crianças e adolescentes de 6 a 17 anos, moradores do Complexo do Muquiço.

O Instituto utiliza o fascínio do futebol e a imagem de atletas consagrados para atrair seu público beneficiário e transformar vidas. Ele atua na formação do jovem, oferecendo educação, arte, cultura e qualificação profissional.

Associação HURRA!

Criada em 2010, a associação tem o objetivo de disseminar o Rugby (ou Rúgbi) como meio para transformação dos indivíduos e, por consequência, do seu entorno social. A instituição acredita que a educação através do esporte contribui diretamente no desenvolvimento de crianças e jovens. Sua metodologia de ensino está baseada nos quatro pilares da educação integral proposta pela UNESCO: aprender a ser, aprender a conviver, aprender a conhecer e aprender a fazer.

Fundação Gol de Letra

Fundada pelos ex-jogadores de futebol Raí e Leonardo, a instituição promove a integração entre práticas educacionais e de assistência social. Ela atende de crianças, adolescentes e jovens  da Vila Albertina, em São Paulo, e do Caju, no Rio de Janeiro. Os programas buscam o desenvolvimento comunitário e realiza atividades de expressão oral e escrita, cultural, artística e corporal, educação para o trabalho e modalidades esportivas.

VemSer – Esporte & Psicologia

Com sede no Rio de Janeiro, a instituição atua nas áreas de esporte, saúde, educação, empreendedorismo e cidadania. A ONG auxilia meninas, de 7 a 19 anos, em situação de risco social. Ela atende crianças e jovens da rede pública de ensino e tem o propósito de oferecer a possibilidade de construção de um futuro melhor.