Eike batista – as ações sociais do do bilionário que ninguém vê

Atualmente, quando se ouve falar do empresário Eike Batista não se conecta seu nome boas ações muito menos a ações sociais. O pensamento geral é de um ex-bilionário envolvido em atividades ilícitas relacionadas à corrupção.

No entanto, a biografia de Eike Batista é muito mais do que o imaginário que se criou após os escândalos envolvendo suas empresas e que infelizmente foi manchada de uma forma que só o tempo poderá quem sabe apagar.

Nascido em Governador Valadares, filho de mãe alemã e pai brasileiro, que durante anos foi presidente da Companhia Vale do Rio Doce, Eike passou sua infância no Brasil e posteriormente, já na adolescência, foi morar na Europa, acompanhando o desenrolar da profissão de seu pai, que chegou a ser Ministro de Minas e Energia do Governo João Goulart.

Lá, iniciou um curso de Engenharia Metalúrgica que nunca chegou a concluir, retornando ao Brasil para vender apólices de seguro e posteriormente empreender no comércio de ouro e diamantes. Considerando os contatos que seu pai possuía, bem como sua fluência em cinco idiomas, além da aptidão para os negócios, aos 21 anos montou uma empresa de compra e venda de ouro, e o resto é história.

Ao longo dos anos empreendeu nos setores de óleo, gás, energia, logística, mineração, indústria naval e carvão mineral, o que o transformaram em um dos homens mais ricos do mundo, até os reveses que tomaram seus empreendimentos.

O que não se observa nas notícias e matérias realizadas sobre o empresário foi o investimento e apoio a inúmeros projetos sociais e filantrópicos que este promoveu ao longo de sua carreira, incentivando outros a realizarem ações beneficentes, dando o exemplo de contribuir para com a sociedade, assim como ocorre em outras nações mais desenvolvidas.

A filantropia é uma prática essencial para equilibrar a economia e reduzir desigualdades.

Consistindo no esforço daqueles que têm mais em ajudar aqueles que têm menos, o que se no fim é a construção de uma sociedade mais justa a todos os cidadãos.

Em países de primeiro mundo, como os Estados Unidos, a prática da filantropia entre os mais ricos é uma regra, e não uma exceção. Contudo, há uma alíquota de cinquenta por cento de imposto sobre grandes heranças, incentivando as doações, fazendo com o que os mais abastados criem fundações para garantir o destino desejado de suas grandes doações.

Já no Brasil, o que se vê é a prática de muito assistencialismo, mas de pouca filantropia. Os mais abastados buscam fazer caridade que apenas temporariamente ameniza o sofrimento daqueles que pouco ou nada possuem, mas em praticamente nada resolve os problemas destes.

O Poder Público destina grande parte do orçamento público a uma redistribuição de renda, que é notoriamente não sustentável e nitidamente eleitoreira, sempre deixando a desejar na infraestrutura, em que pese os altos impostos, pagos tanto pelos mais ricos como pelos mais pobres.

Pensando exatamente nisso, ao longo de sua carreira, Eike Batista sempre buscou praticar a filantropia, que, ao contrário do assistencialismo, busca de fato resolver o cerne da questão social. Na primeira década dos anos 2000 o empresário destinou mais de 250 milhões de reais a causas filantrópicas, apoiando leilões beneficentes e diversos projetos sociais.

Um dos leilões foi o organizado em prol da Escola do Povo, ONG que alfabetiza adolescentes e adultos na comunidade Paraisópolis, em São Paulo, cujo idealizador foi o cabelereiro Wanderley Nunes. Nesse leilão, Eike arrematou um terno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de diversas outras peças, para então devolver todos os itens para que fossem leiloados novamente. Sua generosidade fez com que no final do leilão o total arrecadado chegasse a 4,2 milhões de reais.

Em outubro de 2010, Eike Batista ofereceu R$ 4,5 milhões de reais para projetos em favor de portadores de hanseníase durante show beneficente no Rio, comprando as 2.000 entradas do evento, que teve show do cantor Ney Matogrosso, desembolsando, ao todo, R$ 1,5 milhão. Ao ser chamado no palco, ainda doou mais R$ 3 milhões de reais, discursando sobre a importância de os empresários fazerem mais doações, promovendo a filantropia.

Destacam-se ainda as doações de cerca de U$ 2 milhões de dólares ao Hospital Pro Criança Cardíaca, que foi fundamental para a finalização e montagem de infraestrutura do Hospital, doações cujo apoio e aporte financeiro foram fundamentais, incluindo a compra de um equipamento que é crucial para definir a vida ou morte das crianças lá tratadas. Atualmente o Hospital Pro Criança Cardíaca, no Rio de Janeiro, é referência no cuidar da criança independentemente da complexidade de sua patologia, havendo encerrado o ano de 2017 sem fila de espera para procedimentos invasivos.

Outra beneficência também voltada à saúde foi a doação de um equipamento de ressonância magnética de última geração, que pesa cinco toneladas, para o alto do prédio do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia, também no Rio, ao custo de R$ 2 milhões de reais.

O Hospital oferece ao público serviços ambulatoriais com preços acessíveis. Além do serviço de ambulatório, a instituição oferece consultas e exames também a preços baixos em várias áreas da medicina, como Radiologia, Ultrassonografia, Anatomia Patológica, Reumatologia, Gastrenterologia e Cardiologia, em um total de mais de 25 especialidades, havendo essa doação sido essencial para um melhor atendimento dos pacientes.

Igualmente volvida à saúde, cujo auxílio de Eike se deu para sua abertura, no valor de R$ 5 milhões de reais, a Associação Saúde Criança Renascer é uma organização sem fins lucrativos que com uma metodologia visionária e inovadora busca auxiliar na reestruturação de famílias de crianças com doenças crônicas e vítimas da desigualdade social, buscando ajuda-las a reincluir-se socialmente por meio de um trabalho multidisciplinar e integrado em cinco áreas: saúde, moradia, cidadania, renda e educação.

Mais uma filantropia tornada à saúde é o financiamento de 1 milhão e meio de reais, por parte de Eike Batista, do projeto de educação médica à distância oferecido pela Academia Nacional de Medicina. O projeto oferece aos profissionais de saúde, em especial os médicos, tal recurso gratuito para se aperfeiçoarem. Abrangendo todas as especialidades, os médicos podem se atualizar, inclusive sobre temas que saem em publicações científicas e nem sempre ficam muito claros, sendo um programa de extrema importância para o desenvolvimento de nossos profissionais da saúde, principalmente ao ser fornecido gratuitamente.

Mais uma filantropia notável é o auxílio à Casa da Criança Lar São José, localizada em São João de Meriti, que atende cerca de 200 crianças entre 4 meses e 5 anos e 11 meses de idade, oriundas de famílias carentes ou em estado de vulnerabilidade social, que lá recebem educação, com o auxílio de 12 agentes educativas na parte da manhã, além de 4 refeições diárias, preparadas por 2 cozinheiras, cuidados de higiene corporal e bucal, por 2 dentistas voluntários e cuidados de saúde preventiva fornecidos por 1 pediatra pago pela Casa, além de um ambiente favorável a um crescimento saudável e feliz, tudo isso como auxílio de Eike.

Também promoveu a doação de diversas cadeiras de rodas à Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação, uma entidade que presta atendimento de reabilitação a crianças, jovens, adultos e idosos com limitação de atividade motora atuando no Estado do Rio de Janeiro, sendo considerada de Utilidade Pública Municipal, Estadual e Federal e é reconhecida por sua ação pioneira nas atividades de Reabilitação Física, como Centro de Referência Nacional e Instituição de Notório Saber.

Importante lembrar da incrível doação de R$ 3 milhões de reais feita pelo empresário ao Teleton. Ao longo dos anos Eike fez várias doações, contudo, essa é a mais notória, havendo sido atendida pelo próprio Silvio Santos, além de a apresentadora Hebe Camargo haver deitado no chão.

Na área do esporte, dentre outras contribuições, o empresário foi peça fundamental na campanha vitoriosa para escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Nos meses que antecederam a eleição, Eike contribuiu com uma doação de R$ 23 milhões de reais para a campanha brasileira. Isso representou cerca de dezesseis por cento do valor da candidatura, estimada em R$ 138 milhões de reais, além de emprestar seu jato particular para que autoridades chegassem à em Copenhague, Dinamarca, mais rapidamente.

O empresário também contribuiu para a cultura de nosso país, sendo que, dentre outras beneficências, está o Museu das Minas e do Metal, em Belo Horizonte, Minas Gerais, que com investimento de R$ 20 milhões de reais do grupo de Eike Batista, abriga atualmente importante acervo sobre mineração e metalurgia, documentando duas das principais atividades econômicas de Minas.

O Museu faz parte do Circuito Liberdade, que transformou a Praça da Liberdade em complexo cultural composto por 15 instituições, dentre museus, centros de cultura e de formação, que mapeiam diferentes aspectos do universo cultural e artístico. Atualmente, o Museu das Minas e do Metal é mantido pela líder no segmento de aços longos nas Américas e uma das principais fornecedoras de aços especiais do mundo, a Gerdau.

Em mais uma ação social extremamente relevante na vida de pessoas menos favorecidas, o projeto Vila Nova Canaã é fruto da realocação de famílias no Maranhão, em São Luis, para dar lugar à antiga MPX (hoje Eneva), desenvolvido em um terreno de 25 mil metros quadrados. No total foram 95 famílias reassentadas de Vila Madureira, uma comunidade que ficava próxima a um lixão, com as famílias residindo em casas de taipa, sem saneamento básico e energia elétrica. (onde atualmente está a Eneva) para a Vila Canaã.

A Vila Residencial Nova Canaã, em Paço do Lumiar, teve participação ativa da comunidade local e de órgãos públicos como o Ibama, Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Maranhão e Ministério Público. O local foi escolhido pela própria comunidade, sendo equipado com escola, posto de saúde, igrejas, pelotão policial, campo de futebol, parque infantil, sede para associação de moradores, praça e mercado para comercialização dos produtos locais. As casas foram entregues com escritura, equipadas com eletrodomésticos – como computador, geladeira e televisão – e servidas por redes de água e esgoto.

Além de todas essas contribuições à diversas áreas com grandes necessidades notoriamente conhecidas no Brasil, Eike Batista também contribuiu com mais de uma centena de programas socioambientais, dentre eles o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, o Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, Reserva Particular do Patrimônio Natural de Acurizal, Reserva Particular do Patrimônio Natural de Penha, Reserva Particular do Patrimônio Natural do Dorochê, Reserva Particular do Patrimônio Natural Eliezer Batista, Projeto Corredor Ecológico do Muriqui, Projeto Caatinga Preservada, dentre outros.

E não só no Brasil Eike promoveu doações. Pensando também nas crianças de outros países bem como atravessar fronteiras, em 2009 o empresário doou a quantia de R$ 12 milhões de reais à entidade Success for Kids, uma Organização Não Governamental projetada pela cantora Madonna. A ONG é uma instituição de apoio a crianças e suas famílias oferecendo cursos livres de arte e esporte, visando a inclusão social, possuindo escritório em São Paulo e contando como parceiros outras ONGs de origem brasileira.

Essas são só algumas das ações sociais promovidas por Eike Batista, existem outras diversas tanto conhecidas como anônimas, que buscaram tão somente devolver um pouco do que ele mesmo recebia além de dar o exemplo a outros empresários, para que buscassem praticar a filantropia e não somente o assistencialismo.

Apesar da controversa figura e visão que se tem da pessoa do empresário nos dias de hoje, não se pode esquecer que há poucos anos o mesmo empresário era idolatrado por onde quer que passasse, inclusive pelos veículos de comunicação que hoje o execram.

Que as ações, que os projetos sociais cujo investimento por parte de Eike Batista hoje tão somente existem por conta de sua notória filantropia continuem o sucesso que são, sendo um exemplo para as futuras gerações, a fim de que estas entendam a importância de ações beneficentes.

O modelo “filantrópico” existente hoje no Brasil não atende de forma alguma às necessidades da sociedade, gerando cada vez mais dependência de raras doações e de crescentes arrecadações, aumentando cada vez mais o abismo social.

Isso nos enfraquece como sociedade, diminuindo expectativas de recursos para redistribuição de renda. Para que a filantropia realmente seja praticada no Brasil, é preciso estímulo a sua prática, como vimos nas ações de Eike Batista.