Descobrindo os pontos fortes da sua ONG para a captação de recursos

Fazer uma autoavaliação buscando conhecer os pontos fracos e fortes da sua ONG é uma tarefa um tanto quanto abstrata e difícil de ser feita. Mas, deve-se entender que o essencial aqui é o autodesenvolvimento e o autoconhecimento.

Como tempo e energia são recursos poderosos, é necessário saber tudo o que se pode explorar, principalmente se a sua finalidade é conseguir captação de recursos financeiros para a ONG.

Para que isso seja possível, é necessário a resposta objetiva de algumas perguntas como: Porque desenvolver essa competência dentro da ONG? Que conquistas nós poderíamos alcançar se mudar o foco? Pensa nelas como se fossem ativos que se embasassem em suas conquistas.

Depois que você já pensou nos benefícios a longo e curto prazo e tudo o que eles exigem, você terá que traçar novos objetivos e listar o foco idealizado.

No começo, pode parecer bastante difícil colocar no papel. Mas conforme você for tomando conta dessa consciência, começa a conseguir planejar e projetar melhor as ferramentas que possui e usá-las de forma mais eficaz.

Como refletir sobre os pontos fracos e fortes

Às vezes, quando você for sentar e começar a escrever sobre os seus interesses e desejos, vai sentir certa dificuldade. O exercício que passaremos a seguir poderá te ajudar com essa reflexão.

Ponha tudo no papel

Para começar, faça uma lista onde de um lado você colocará os pontos positivos e do outro, os negativos. Os pontos positivos deverão ser consistentes e se destacam dentro da sua causa, senti alvo de elogios, por exemplo.

Já os negativos deverá conter tudo aquilo que atrapalha o seu desempenho, aquilo que você sente falta ou já recebeu algumas dicas para melhorar (feedback).

Faça uma Retrospectiva

Logo após, faça uma retrospectiva de tudo o que você vivenciou no semestre ou no ano anterior. Reflita com bastante calma e pontue cada um dos itens com exemplo real, ou seja, situações que comprovem os pontos fortes ou fracos de cada relação.

Não se preocupe com as palavras certas. O importante é que você entenda o conceito aplicado.

Como priorizar os pontos que precisam ser desenvolvidos?

Com todos os dados em mãos, pense em qual será sua prioridade- e comece por ela. Ainda com base no exercício anterior, pare e analise quais são os aspectos que podem e devem ser desenvolvidos.

Um ponto fraco só precisa ser trabalhado se, ele, efetivamente, dará resultado positivo depois. E como priorizar o que eu devo ou não trabalhar?

Façam alguns questionamentos como:

  1. Você realmente precisa desenvolver essa competência? Pense aqui, no impacto que ela poderá gerar.
  2. O quanto ela consegue te ajudar a desenvolver-se num curto, médio e longo prazo? Pense se ela conseguirá fazer com que vocês atinjam os seus objetivos.
  3. O quanto você deseja desenvolvê-la? É muito mais provável que você consiga sucesso ao trabalhar uma competência que deseja desenvolver do que uma que você não tem a menor afinidade.